quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014




“A ausência um do outro já não incomodava como água oxigenada no joelho de feridas abertas. Embora os dois soubessem que o buraco estava lá, num cantinho vazio do coração e no confiscado dilatar de pupilas de cada um.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário